Quem ama não trai, será?

Veja se você é capaz de impedir esse tipo de erro em sua relação

É muito provável que você já tenha ouvido a expressão “quem ama não trai”, certo? De fato, a frase é impactante. Mas, quando falamos do dia a dia de um casal, saímos do mundo das letras e entramos na realidade. Assim, a pergunta é: quem ama não trai mesmo?

O ser humano é cheio de erros, falhas, e, como a própria Bíblia adverte, tem a carne fraca e é frequentemente tentado pelas coisas deste mundo. Se não vigiar, fatalmente cai.

Por isso, nem mesmo o amor – por si só – é capaz de impedir que um erro como a traição aconteça, caso a pessoa dê vazão ao que vê, se encante, cobice ou permita que os pensamentos nocivos ao seu relacionamento a dominem.

Inclinado ao erro

Entre os muitos assuntos abordados pelo casal Renato e Cristiane Cardoso, o tema “traição” é debatido com bastante frequência. “Saiba, marido ou esposa, que você é humano. É falho, é inclinado ao erro, é tentado pelo proibido. E, dadas às circunstâncias apropriadas, você provavelmente vai trair seu cônjuge. E na ‘hora H’, quando você estiver fisgado pelos seus sentimentos e pela adrenalina, seu ‘amor’ não impedirá a traição”, descreve Renato Cardoso em seu blog pessoal.

Ele também questiona: “Estamos todos condenados a trair, então?” Não. É aí que você deve aprender o que o verdadeiro amor faz nessas situações. “Quem ama, foge do mal e não confia na própria força”, diz.

Imaturidade e vida de solteiro

O jogador de futebol Rodrigo Barbosa e a estilista Maria Angelica Pavlakis enfrentaram a traição por cerca de três anos. Eles se conheceram e se casaram na Grécia em 2008, mas o amor que os dois sentiam não foi suficiente para evitar o problema.

Para Maria Angelica, a infidelidade começou porque o marido manteve as mesmas atitudes da época em que era solteiro. “Ele queria viver o mundo, frequentar baladas, sair com os amigos, não estava preparado para um compromisso sério. E também tinha o assédio grande de outras mulheres por ele ser jogador”, explica.

Quando conseguia folga ou férias do trabalho, Rodrigo voltava para o Brasil, onde marcava encontro com amantes. Maria Angelica começou a perceber que o marido voltava para a Grécia cansado, nervoso e cabisbaixo. Ela descobriu as traições após encontrar mensagens que Rodrigo trocava com várias mulheres através da internet. “Fiquei triste, mas não xinguei nem quebrei nada. Decidi me manter confiante. Eu sempre me dei valor e achei que o melhor a fazer era mostrar com o meu exemplo que ele estava errado. Não abandonei minha rotina, continuei cozinhando, indo trabalhar”, afirma Maria Angelica.

Aos poucos, Rodrigo percebeu que estava sendo imaturo ao não assumir seu papel como marido. Após constatar que poderia perder a esposa, ele decidiu procurar ajuda com o pai, que o aconselhou a ir a reuniões da Universal sobre relacionamentos. “A mudança não aconteceu do dia para a noite. Conversamos muito, chegamos a discutir. Só quando nossa filha nasceu, em abril de 2011, que ele realmente começou a se dedicar à família”, comemora Maria Angelica.

E depois da traição?

Renato Cardoso explica que, para evitar traições, o casal deve se preocupar em investir um no outro. O mesmo vale para cônjuges que conseguiram superar o problema. “Se eu amo minha esposa, no momento em que meus olhos se atraírem por outra mulher, eu fugirei dela”, justifica Renato.

Maria Angelica conta que, depois da infidelidade, ela e Rodrigo passaram a dialogar mais. “Nós gostamos de sair juntos, conversar, fazer surpresas. Hoje, ele não aceita ir a nenhum lugar sem a minha companhia, está mais maduro”, conclui ela.

www.universal.org