É possível ser amiga do ex?

 É possível ser amiga do ex?

Situação pode gerar problemas entre o casal se não houver um limite

Dá para ser amiga (o) do (a) ex? A pergunta gera polêmica entre a maioria das pessoas. Algumas acreditam que sim, mas grande parte já tem um conceito bem formado: não dá, seja lá qual tenha sido a relação – namoronoivadocasamento.

Manter o ex ou a ex por perto sem que haja um objetivo em comum – como filhos, por exemplo – é uma “pedra no sapato” de muita gente. Além de constranger o atual relacionamento, atrapalha e pode destruir o namoro, noivado ou casamento.

Não dá para viver o presente tendo de conviver com as lembranças do passado. É óbvio que ninguém vai “perder a memória” por causa disso, mas também não vai ficar cultivando o que já passou.

A própria Bíblia faz sérias advertências a respeito do assunto, quando menciona, em Isaías 43:18,19, o seguinte: “Não vos lembreis das coisas passadas, nem considereis as antigas. Eis que faço coisa nova...” Ou seja, o próprio Deus, por intermédio da Sua Palavra, orienta as pessoas a não ficarem lembrando do que passou, muito menos considerando as coisas antigas. E o mais interessante é que Ele promete fazer coisa nova.

Quais os limites?

Recentemente, esse assunto foi tema de um dos programas “The Love School”, apresentado todos os sábados, ao meio-dia, pelo casal Renato e Cristiane Cardoso. A pergunta em questão era: Quais os limites para essa amizade não interferir no atual relacionamento?

“Se existem filhos no meio, tudo bem, mesmo assim, é preciso impor limites nesse contato. Do contrário, o melhor a fazer é se autoquestionar: O que me traz de bom essa presença? Para que eu aceito essa presença? A serviço de que essa presença ainda está na minha vida? E se perceber que a insistência vem do outro, converse com ele e coloque limites. Esclareça que a pessoa tem tomado atitudes agradáveis, porém, decidiu não mais recebê-las”, disse Cristiane.

Mas e quando os amigos são todos em comum e frequentam os mesmos lugares? “Se eles são, devem escolher de que lado ficar, e vice-versa, até porque você não terá condições de ficar cortejando-os”, alertou ela.

Remexendo o passado

Se para alguns, manter a amizade com o ex não interfere em nada na vida atual, para outros, o constrangimento se torna real e bastante doloroso.

“É como cavar um buraco que não tem fim. Quanto mais você mexe, mais afunda. Lembranças são boas até um limite. Se a pessoa se aprofunda demais no que viveu, certamente vai pagar um preço alto de angústias e infelicidades”, diz L.S. (que prefere não ter o nome divulgado), de 40 anos.

Ele viveu um grande amor na juventude. Foram quase 5 anos em um namoro que começou na escola e foi se desenrolando até os seus 23 anos. “O tempo passou, cada qual seguiu sua vida, só que muitos anos depois a reencontrei. Nos aproximamos como ‘amigos’, mas foi uma experiência muito ruim, já que ambos tinham constituído suas famílias.”

Foi preciso coragem para dar um basta naquela situação. L.S. teve de agir rápido, pois, sem que percebesse, aquele contato estava desestruturando a vida de ambos. “Conversamos e decidimos cortar todo e qualquer contato, até o virtual, para, assim, cada qual seguir sua vida de verdade.”

Dicas para superar a situação (*):

1 – Ele (a) continua ligando para a sua casa?

Você deve fazer algo a respeito. Não deixe o (a) ex intervir na sua vida.
2 – Ele (a) usa o filho para se aproximar?

Combine com seu (sua) parceiro (a) atual como vai ser essa presença do filho.

3 – Ele (a) fica deixando recados no Facebook dela (dele)?

Se o (a) ex está interferindo no seu relacionamento, bloquear é a solução.