5 dicas para evitar ataque cardíaco

 

Entre outras medidas, estudo britânico defende o consumo diário de maçã para prevenir problemas cardiovasculares

Qual é o problema de saúde que mais mata no Brasil? Se você respondeu câncer ou Aids errou. As doenças cardiovasculares são as que lideram a lista de causa de óbitos no País. De acordo com dados do Ministério de Saúde, cerca de 300 mil pessoas sofrem com esse mal e aproximadamente 80 mil pacientes morrem por ano em decorrência de infartos ou derrames.

No entanto, na visão de pesquisadores britânicos, do Grupo de Pesquisa para a Promoção da Saúde da Universidade de Oxford, esse cenário poderia ser facilmente revertido caso as pessoas adotassem um hábito simples: o de comer uma maçã por dia, principalmente quem tem mais de 50 anos.

O objetivo dos cientistas era o de comprovar que um antigo ditado inglês, o de que “uma maçã por dia mantém o médico distante”, estava realmente certo. Para isso, eles utilizaram um modelo matemático para comparar o uso de estatinas, o principal medicamento no controle do colesterol, ao consumo diário da fruta, que possui propriedades similares. De acordo com o estudo, se 70% da população do Reino Unido com mais de 50 anos comesse uma maçã por dia, 8,5 mil mortes por problemas cardiovasculares poderiam ser evitadas. E o melhor: sem os efeitos colaterais do medicamento comum.

Contudo, na visão do cardiologista José Maria Sallovitz, ainda é cedo para afirmar que maçãs podem realmente substituir a estatina. “O estudo é uma suposição com base nas propriedades da maçã, mas ninguém de fato deu maçãs a uma população para comparar com outra população que não comeu maçãs”, defende. “O que, sim, continua sendo uma das maneiras mais eficazes de se combater esse inimigo silencioso é ter uma alimentação balanceada, incluindo maçãs e também outras frutas no cardápio”, recomenda o médico.

Além disso, é preciso ficar de olho nos fatores de risco. “Hoje sabemos que pessoas com altos níveis de colesterol, pressão alta, diabéticos, tabagistas, obesos, sedentários e, principalmente os que têm histórico familiar de infarto apresentam uma chance maior de ter um. Mas cabe a cada pessoa minimizar o seu risco, pelo menos, aqueles que dependem de nós”, orienta Sallovitz.

Seja saudável

Adotar hábitos de vida mais saudáveis é praticamente a recomendação de todos os médicos ao redor do mundo. Parece simples na teoria, mas na prática a maioria das pessoas não consegue se educar para isso. “Sem dúvida parece mais cômodo tomar um comprimido de estatina e achar que está imune a um infarto. Ledo engano. O que realmente diminui a chance de ter um infarto são os hábitos de vida”, esclarece o cardiologista.

Na visão do médico, o tabagismo é também um dos grandes vilões. “Posso afirmar que se não houvesse cigarro no mundo, o Instituto do Coração seria um hospital cheio de vagas disponíveis”, afirma. Além disso, levar uma vida mais leve, sem se estressar, é um dos segredos para manter o coração a salvo. “O estresse nos faz viver constantemente com altos níveis de adrenalina, o que é extremamente prejudicial à circulação e aumenta a chance de desenvolver uma doença coronária”, alerta. Contra o nervosismo, o médico recomenda: “É preciso mais tempo de lazer, mais tempo com a família e, principalmente, mais tempo para amar”, finaliza.

 

Tags: Folha Universal