Babilônia

Apocalipse: o desdobramento do império romano anticristão

A origem da Babilônia, ou seja, de Babel, encontra-se registrada na Bíblia pela primeira vez após o dilúvio

 

“O anjo, porém, me disse: Por que te admiraste? Dir-te-ei o mistério da mulher e da besta que tem as sete cabeças e os dez chifres e que leva a mulher: a besta que viste, era e não é, está para emergir do abismo e caminha para a destruição. E aqueles que habitam sobre a terra, cujos nomes não foram escritos no Livro da Vida desde a fundação do mundo, se admirarão, vendo a besta que era e não é, mas aparecerá. 

Aqui está o sentido, que tem sabedoria: as sete cabeças são sete montes, nos quais a mulher está sentada. São também sete reis, dos quais caíram cinco, um existe, e o outro ainda não chegou; e, quando chegar, tem de durar pouco. E a besta, que era e não é, também é ele, o oitavo rei, e procede dos sete, e caminha para a destruição. 

Os dez chifres que viste são dez reis, os quais ainda não receberam reino, mas recebem autoridade como reis, com a besta, durante uma hora. Têm estes um só pensamento e oferecem à besta o poder e a autoridade que possuem. Pelejarão eles contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, pois é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão também os chamados, eleitos e fiéis que se acham com Ele. 

Falou-me ainda: As águas que viste, onde a meretriz está assentada, são povos, multidões, nações e línguas. Os dez chifres que viste e a besta, esses odiarão a meretriz, e a farão devastada e despojada, e lhe comerão as carnes, e a consumirão no fogo. Porque em seu coração incutiu Deus que realizem o Seu pensamento, o executem a uma e deem à besta o reino que possuem, até que se cumpram as palavras de Deus. A mulher que viste é a grande cidade que domina sobre os reis da terra.” Apocalipse 17.7-18 

Diante da perplexidade e surpresa expressas pelo apóstolo do amor, conforme é conhecido João, o anjo lhe disse: “... Por que te admiraste?...” (Apocalipse 17.7) Já discorremos sobre a reação de João diante daquela visão. 

Ele não podia entender como a Igreja tão fervorosa pôde se transformar em uma instituição “... embriagada com o sangue dos santos e com o sangue das testemunhas de Jesus...” Apocalipse 17.6

Então o anjo lhe explica o sentido daquilo que ele vê: “A mulher que viste é a grande cidade que domina sobre os reis da terra.” (Apocalipse 17.18) Isto é o império mundial da Babilônia, sob a liderança do anticristo, o adversário do Senhor Jesus Cristo. 

E a essência deste último império mundial está relacionada com o que está escrito na fronte da mulher: “Na sua fronte, achava-se escrito um nome, um mistério: Babilônia, a Grande, a Mãe das Meretrizes e das Abominações da Terra.” (Apocalipse 17.5) A origem da Babilônia, ou seja, de Babel, encontra-se registrada na Bíblia pela primeira vez após o dilúvio: 

“Cuxe gerou a Ninrode, o qual começou a ser poderoso na terra. Foi valente caçador diante do Senhor; daí dizer-se: Como Ninrode, poderoso caçador diante do Senhor. O princípio do seu reino foi Babel...” Gênesis 10.8-10 

Conforme já vimos quando estudamos a abertura do primeiro selo (Apocalipse 6), Ninrode era neto de Cão, o filho que Noé havia amaldiçoado. Através dele, Satanás desenvolveu um sistema pelo qual os seres humanos seriam capazes de matar e até morrer. 

Este sistema se chama religião. Daí Satanás inspirou Ninrode a construir a cidade de Babel, e nela uma torre cujo topo chegasse até aos céus, a fim de atrair as pessoas para o local.

O objetivo principal de Ninrode era estabelecer ali um reinado no qual ele dominaria sobre todos os seres humanos. E aí está a razão pela qual ele não queria que a humanidade fosse espalhada por toda a Terra (Gênesis 11.4). 

Ora, isso veio contrariar frontalmente o que Deus já havia determinado para Adão e Eva: “... Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e sujeitai-a...” Gênesis 1.28

O significado da palavra Babel no hebraico é “confusão”: “Chamou-se-lhe, por isso, o nome de Babel, porque ali confundiu o Senhor a linguagem de toda a terra e dali o Senhor os dispersou por toda a superfície dela.” Gênesis 11.9

Além deste, há também outro significado para Babel: “porta dos deuses”, ou seja, idolatria no lugar de culto ao Único e Verdadeiro Deus. 

O Targum de Jerusalém é uma versão muito antiga do texto hebraico para a língua aramaica, e era utilizado especialmente pelos antigos rabinos nas sinagogas, mas é interessante vermos como ele traduz o texto sagrado de Gênesis 10.8-9: “Ninrode foi o mais poderoso rebelde contra o Senhor que jamais existiu no mundo.” 

Nesta versão, explica-se que Ninrode era poderoso em pecar diante da face de Deus e caçava homens, instigando-os a abandonarem o conselho de Sem, o temente filho de Noé, para segui-lo. Como se sabe, os descendentes de Sem, os semitas, são, dentre outros, os judeus.

arca universal